Trem da Serra do Mar Paranaense


A cada ponte, a cada túnel, a cada paisagem que se destaca ao longo desta inesquecível viagem, o melhor que podemos fazer é nos extasiarmos com este maravilhoso passeio. Uma ferrovia imperial que, com seus 110 encantadores quilômetros, liga Curitiba a Paranaguá desde 1880 e perpetua no tempo este magnífico e arrojado projeto.

Galeria de imagens do passeio


Vídeo


Veja como chegar


Av. Presidente Affonso Camargo, 330 - Estação Ferroviária
Curitiba / PR
Morretes / PR

CEP: 80060-090
Telefone: (41) 3888-3488
E-mail:contato@serraverdeexpress.com.br
Baixa temporada:
- Litorina só para grupos, ou aos finais de semana e feriados.
- Trem diariamente.

Alta temporada:
- Todos os dias
Trem 8h15min
Litorina 9h15min. Para o retorno de Morretes a saída ocorre as 15:00hrs.
110 Km
Cerca de 3 horas
Estação Rodoferroviária Curitiba-PR / Marumbi/Morretes/Paranaguá-PR
Guias informando a história local. Lindas paisagens. Túneis e pontes – obras de grande beleza. O Trem da Serra do Mar Paranaense parte diariamente de Curitiba rumo à bucólica cidade de Morretes e, no trajeto de aproximadamente três horas de viagem, o turista se depara com muitas pontes e viadutos, algumas consideradas verdadeira ... ver mais
Guias informando a história local. Lindas paisagens. Túneis e pontes – obras de grande beleza. O Trem da Serra do Mar Paranaense parte diariamente de Curitiba rumo à bucólica cidade de Morretes e, no trajeto de aproximadamente três horas de viagem, o turista se depara com muitas pontes e viadutos, algumas consideradas verdadeiras obras de arte da Engenharia integradas à natureza, as mais surpreendentes são a Ponte São João - com 55 metros de extensão, o Viaduto do Carvalho - um contorno sobre uma montanha com a sensação de estar flutuando, e o túnel mais imponente, o túnel Roça Nova - com 457 metros de extensão e 900 metros acima do nível do mar. Além dos casarios, cachoeiras e da vegetação exuberante que acompanha todo o passeio.
Morretes é conhecida como a capital agrícola do litoral do Paraná. Daí provém, por exemplo, os vários tipos de cachaça que produz e os numerosos produtos processados artesanalmente, como a famosa farinha de mandioca de Morretes, ingrediente do famosos Barreado, o prato típico do Paraná.
Juntamente com Antonina e Paranaguá, Morr
... ver mais
Morretes é conhecida como a capital agrícola do litoral do Paraná. Daí provém, por exemplo, os vários tipos de cachaça que produz e os numerosos produtos processados artesanalmente, como a famosa farinha de mandioca de Morretes, ingrediente do famosos Barreado, o prato típico do Paraná.
Juntamente com Antonina e Paranaguá, Morretes tem uma acirrada e sadia disputa sobre onde surgiu o primeiro prato de Barreado. Quem ganha com isto são os turistas, já que a cidade conta com mais de 20 restaurantes que servem esta iguaria. O Barreado é servido livremente, ao preço fixo por pessoa. Além de Barreado, existe a possibilidade do acompanhamento de peixe e camarão oferecido pela maioria dos restaurantes na região.
A construção da ferrovia começou oficialmente em fevereiro de 1880. Considerada impraticável por inúmeros engenheiros europeus à época, a obra teve início em três frentes simultâneas: entre Paranaguá e Morretes (42 km), entre Morretes e Roça Nova (38 km) e entre Roça Nova e Curitiba (30 km). O objetivo era estreitar a relação en ... ver mais
A construção da ferrovia começou oficialmente em fevereiro de 1880. Considerada impraticável por inúmeros engenheiros europeus à época, a obra teve início em três frentes simultâneas: entre Paranaguá e Morretes (42 km), entre Morretes e Roça Nova (38 km) e entre Roça Nova e Curitiba (30 km). O objetivo era estreitar a relação entre as cidades do litoral paranaense e a capital do estado, com vistas ao desenvolvimento social do litoral. Além disso, era imprescindível ligar o Porto de Paranaguá aos estados do Sul do Brasil, para que se desse vazão à produção de grãos dos estados e, dessa forma, garantir apoio ao desenvolvimento econômico da região. Para a obra, foram recrutados mais de 9.000 homens, que ganhavam entre dois e três mil réis por jornada. A maioria deles vivia em Curitiba ou no litoral, e era composta de imigrantes que trabalhavam na lavoura. O esforço e ousadia de trabalhadores braçais, engenheiros e outros profissionais resultou numa das mais ousadas obras da engenharia mundial. Depois de cinco anos, a ferrovia foi inaugurada em 02 de fevereiro de 1885. Participaram da primeira viagem engenheiros, autoridades federais e locais, jornalistas e outros convidados. A viagem entre Paranaguá e Curitiba durou nove horas: ao chegar à Capital, mais de 5.000 pessoas aguardavam o trem. Em seus cento e dez quilômetros de extensão, a ferrovia guarda centenas de obras de arte da engenharia: são 13 túneis ativos e 1 desativado, 30 pontes e inúmeros viadutos de grande vão. Destacam-se a Ponte São João, com 55 metros de altura, e o Viaduto do Carvalho, que liga os túneis 4 e 5, assentado sobre cinco pilares de alvenaria na encosta da rocha - a passagem por esse trecho provoca a sensação de uma viagem pelo ar, como se o trem estivesse flutuando. Foi a primeira obra com essas características a ser construída no mundo. Poucos destinos no Brasil têm o valor histórico dos passeios pelos trilhos da Serra Verde Express.
Através de seus 110 quilômetros de extensão, a ferrovia é cercada por belas paisagens, com cânions, cachoeiras e vasta biodiversidade. A viagem ao longo da ferrovia centenária permite ao visitante admirar as belezas da Serra do Mar, por meio de pontes, viadutos, vales e túneis escavados em rochas sólidas, trabalho orgulhoso da e ... ver mais
Através de seus 110 quilômetros de extensão, a ferrovia é cercada por belas paisagens, com cânions, cachoeiras e vasta biodiversidade. A viagem ao longo da ferrovia centenária permite ao visitante admirar as belezas da Serra do Mar, por meio de pontes, viadutos, vales e túneis escavados em rochas sólidas, trabalho orgulhoso da engenharia brasileira.